terça-feira, 6 de dezembro de 2011

QUANDO UM OBRIGADO LEVA A... UM OBRIGADO!

Esta aconteceu-me há umas semaninhas, mas ainda não a tinha partilhado convosco...

À falta de molho de bechamel e natas para se fazer uma lasagna num jantar caseiro, desloquei-me a um conhecido supermercado para comprar esses ingredientes. Aproveitei também para trazer mais algumas coisas que agora não me recordo.

Tudo corria dentro do normal... até chegar à caixa! Depois de ter registado todos os produtos, o operador pergunta-me se desejo um saco, ao qual respondo que sim. Simpaticamente, o funcionário colocou-me as coisas no saco. Obviamente, agradeci e foi precisamente esse agradecimento que despoletou a caricata situação...

Depois de lhe ter dito "obrigado", o empregado sai-se com um "obrigado, boa noite". Seria o mais comum se o atendimento estivesse finalizado, mas... faltava-me pagar!!!

O rapaz teve ali um grande curto-circuito mental! Pelo facto de eu ter dito "obrigado", algo que normalmente se diz no final do atendimento, ele passou directamente à última fase do processo, passando por cima do essencial da função que exerce: receber o money, money!!!

Fiquei estupefacto e aguardei uns segundos para ver se tinha percebido mesmo bem... Tinha mesmo! O tapete começou a andar, as coisas do cliente seguinte aproximaram-se do operador e ele ia registar imediatamente um produto.

Podia ter sido um grande sacana e ter saído com as compras a custo zero, mas isso nunca me passou pela cabeça. Sempre aprendi que não devemos fazer aos outros o que não gostamos que nos façam a nós. Isto para além de os meus pais, desde pequenino, sempre me terem ensinado a não querer para mim o que não me pertence. Como tal, alertei o funcionário para o sucedido.

"Olhe, desculpe, eu ainda não paguei", disse-lhe eu. "Não pagou?!?, perguntou ele com estupefacção. "Agradeci-lhe por me ter colocado as coisas no saco e o senhor deu-me o saco com as compras e disse-me 'boa noite', como se eu já tivesse pago...", respondi eu. De forma humilde, o rapaz disse que, perante a situação, quem tinha que dizer obrigado era ele.

No entanto, apercebi-me facilmente do seu embaraço para comigo, ainda para mais na presença de outro cliente, e tentei minimizá-lo, dizendo que é normal que o adiantado da hora já gerasse algum cansaço.

A verdade é que foi, de facto, um erro crasso. Felizmente, para ele, deu comigo e não teve que pagar pela falha. Sei que muita gente teria a mesma atitude que eu, mas, pelo que vejo, estou em crer que mais gente ainda estar-se-ia nas tintas e deixaria o supermercado super-feliz por 'não ter aberto os cordões à bolsa'.

Podem até chamar-me otário, mas orgulho-me de ser como sou. Muito!

Abraço/beijinhos

5 comentários:

faa disse...

A meu ver, não havia outra maneira de agir diferente à tua.
Fizeste muito bem :)

Nunca me aconteceu esquecerem-se que eu tinha de pagar mas já me deram o troco mal, e eu devolvi quando me deram a mais.

É estupido aproveitarem-se de erros alheiros para "roubar".

Lais Castro disse...

Otário, não, honesto! Eu teria feito o mesmo!

Vítor Marcelino disse...

Tas lá Pedro ;)

VM disse...

Pedro, a tua atitude para mim não é novidade. Outra coisa não se esperaria.
Por vezes a opinião pública está mal informada. Os operadores de caixa é que têm que saldar a conta no fim do dia e muita gente pensa que quem arca com o prejuízo é a empresa. Nos Bancos acontece diáriamente as pessoas levarem dinheiro a mais e comentarem "já enganei o Banco"!! Nada disso porque no final do dia quem repõe a massa em falta é o caixa.
Tás no bom caminho :)

Anónimo disse...

Helder

Muito bom... o que interessa nao o que os outros pensem, mas sim o que a nossa consciência nos diz

Parabens